quinta-feira, 14 de novembro de 2019


Hoje, 13 de novembro, recuei no tempo quase cinquenta anos. É que eu estava ouvindo um agradável programa musical na Rádio Santa Cruz FM, local, quando a emissora encerrou as suas atividades. Lembrei-me, então, da história na energia elétrica em Mundo Novo, que começou assim:
Até 1918 vivíamos na base do candeeiro. A partir de 27.07.1918, passamos a ter luz à base de a acetileno, conhecida como luz de carboreto. Em 1930, na gestão do Dr. Raul da C. Victória, a iluminação da Praça Sen. Cohim, passou a ser feita por petromax (lampião a querosene, com camisa). Em 1942, na gestão do Dr. Adalberto Cerqueira Campos, foi adquirido um gerador de energia elétrica, que funcionava das 19 às 24 horas. Somente em 1972, na gestão do Dr. Arnaldo de Miranda Motta, Mundo Novo foi finalmente conectado à rede de energia elétrica de Paulo Afonso, quando passamos a ter energia elétrica 24 horas por dia. Hoje, 13 de novembro de 2019, a nossa rádio Santa Cruz FM sai do ar às 23 horas, como nos velhos tempos!!!

sábado, 12 de outubro de 2019


Ode a José Carlos da Motta – O fundador da Cidade de Mundo Novo.
          Mundo Novo, até parece eu te vi nascer! Vi quando homens e mulheres exaustos, após trinta dias de penosa cavalgada dentro do mato fechado, fugindo de uma tormentosa seca, depararam um cenário maravilhoso e indescritível de terras férteis, cercadas de montanhas verdejantes, donde desciam nascentes cristalinas.
Eu os vi, no alto da ladeira do Cobé, quando o chefe da expedição, o bravo José Carlos da Motta, ensimesmado, tirou o chapéu e com os olhos marejados diante de tanto encantamento, bradou profeticamente: “Isto aqui é um Mundo Novo!”
           Avançou na certeza de ter encontrado a terra prometida. Seguiu o curso de um rio então caudaloso e de águas límpidas como a alma do sertanejo.  Ele e seus companheiros acamparam-se para um breve repouso, logo ali, onde o vigilante de nossos sítios históricos, nosso Prof. Vanderlan Sampaio Araújo, assentou o MARCO ZERO.
            Logo após aquele breve repouso, seguiram rumo ao sul, e em novo largo coberto de capim guiné, no topo de um aclive e voltado para o rio Capivary, Carlos da Motta decidiu confiante: “Aqui, neste lugar, edificarei a minha casa e constituirei a minha família. Mandarei chamar meus amigos para conhecer e habitar este novo este novo Éden”. Estava assentada a pedra fundamental da futura cidade de Nossa Senhora da Conceição do Mundo Novo. Era o dia 10 de outubro de 1833
 E hoje, Mundo Novo, 186 anos decorridos, continuamos urbanos e destemidos, e orgulhosos dos brios teus, com o coração pulsando forte, te amaremos até a morte, porque assim apraz a Deus!

sexta-feira, 6 de setembro de 2019


Invocação aos Jovens,
Estamos comemorando mais um sete de setembro, talvez, o mais preocupante desde 1822. Ideologias antagônicas medem forças e muitos já pedem uma secessão entre o nordeste e o sul do Brasil, ameaçando nossa unidade territorial, orgulho de nosso povo desde a expulsão do Reino Unido de Portugal e Algarves.
Expulsamos nossos pais e agora queremos adotar um padrasto alienígena. As forças constituídas, por sua maioria, embriagaram-se com o poder e se corromperam, instalando-se uma luta entre bem e o mal, como diria Castro Alves: “o duelo da treva e do clarão”. E nessa balbúrdia perguntamos: Que futuro estamos deixando para os nossos filhos e netos?  
  Essa falta de patriotismo nos trás saudades de Osório e do Duque de Caxias. Sentimos a carência de líderes confiáveis e de homens do caráter de Abraham Lincoln, que à custa de sangue, salvou a unidade norte-americana. Com as honrosas exceções, cada líder convocado pelo eleitorado é mais uma decepção. “Andrada! Arranca esse  pendão dos ares, Colombo! Fecha a porta de teus mares”.  Até os mercenários da fé profanam os templos de religiões diversas. Diante desse quadro tétrico, o homem comum, como filósofo Diógenes da Grécia, sai às ruas em pleno dia, com um candeeiro nas mãos à procura de um homem honesto.
 Convertamos as comemorações deste dia numa oração contrita, invocando luzes do céu. Que essa geração de jovens inteligentes nos seja a salvação. Vocês são a nossa esperança, já que não soubemos lhes legar uma Pátria gentil, para o bem do Brasil. Boa Sorte!
Mundo Novo, 7 de setembro de 2019.

quinta-feira, 25 de julho de 2019


“O comunismo não é fraternidade, é a invasão do ódio por entre as classes” (Ruy Barbosa).
“O comunismo é uma ideologia política e socioeconômica, que pretende promover o estabelecimento de uma sociedade igualitária, sem classes sócias e apátrida, baseada na propriedade comum dos meios de produção”.
O primeiro problema é estabelecer uma sociedade igualitária num mundo onde todos são absolutamente desiguais por natureza. Cada um tem aptidões que faltam a outros. O analfabeto é capaz fazer maravilhas que o intelectual não consegue. Cada um tem as suas habilitações. O comunismo prega uma sociedade sem classes sociais, mas, em todas as nações onde se implantou ou se tentou implantar o comunismo, foi criada uma elite privilegiada, que passou a viver nababescamente, acumulando fortunas. Os comunistas são apátridas, daí nossos vermelhos não abrirem mão da bandeira vermelha, com a foice e o martelo e queimando o nosso pendão sagrado em praça pública. Motivo bastante para se rejeitar tal regime. Por fim, “propriedade comum dos meios de produção”, onde todos são nivelados por baixo. Os mais competentes produzem para os néscios (ineptos, incapazes).
Todos são iguais sim, diante das leis e das necessidades. É isso que teremos, quando mandarmos parlamentares mais dignos para o nosso Congresso Nacional.


  A imunidade parlamentar – art. 53, da CF “Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos”. Essas prerrogativas são extensivas também os vereadores dentro de seu município.
 Fica claro que o legislador, quando criou essas prerrogativas, não imaginava o quanto tantos parlamentares não seriam merecedores, no futuro, de tão extensas garantias. Hoje vemos, de vereadores a senadores, quantos são indignos dessas prerrogativas. Ocupam a tribuna usando de palavras de baixo calão para caluniar e difamar pessoas honradas, dignas de todo o respeito, mas que ficam impossibilitadas de qualquer reação. Têm que amargar tudo indefesas. Um absurdo!


quinta-feira, 4 de julho de 2019

A imunidade parlamentar – art. 53, da CF “Os Deputados e Senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos”. Essas prerrogativas são extensivas também aos vereadores dentro de seu município.
Fica claro que o legislador, quando criou essas prerrogativas, não imaginava o quanto tantos parlamentares não seriam merecedores, no futuro, de tão extensas garantias. Hoje vemos, de vereadores a senadores, quantos são indignos dessas prerrogativas. Ocupam a tribuna usando de palavras de baixo calão para caluniar e difamar pessoas honradas, dignas de todo o respeito, mas que ficam impossibilitadas de qualquer reação. Têm que amargar tudo indefesas. Um absurdo!

segunda-feira, 20 de maio de 2019


E se Mundo Novo tivesse adotado um sistema político socialista?
(Só para meus amigos de Mundo Novo).

            Vou relatar a história de alguns amigos imigrantes ou mundo-novenses que conheci e outros que ainda conheço, em Mundo Novo (os nomes são fictícios, mas os fatos são verdadeiros.)
1 – Joseph Carona chegou a Mundo Novo nos velhos tempos. Trouxe apenas uma pequena pasta onde guardava algumas jóias. Para sobreviver, passava de porta em porta oferecendo suas jóias à venda, que eram conhecidas com “bugigangas”. Quando o pequeno estoque esgotava ele partia para voltar após, trazendo novidades. Foi ficando em Mundo Novo e aqui passou toda a sua vida. Enquanto crescia, implantou em nossa terra, com recursos próprios, luz elétrica, água encanada e uma fábrica de laticínios. Morreu com a reputação de ser um dos maiores pecuaristas do município.
2 – Edilson Souto, mundo-novense de origem humilde, vítima das limitações da época, fez o caminho inverso. Ainda muito jovem, foi buscar melhores dias em outras terras. Lá estudou, formou-se em Direito e um belo dia aqui chegou como “doutor”. Não acreditaram nele. Duvidavam de seu título. E os clientes continuaram procurando dos advogados já bem sucedidos que aqui já advogavam há anos. Não se intimidou: redigia suas petições e pedia a um colega para assinar por ele. Começou a ganhar causas e dinheiro. Passou à dianteira dos mestres e em pouco tempo já se iniciava timidamente no comércio de gado. Está aí vivinho da silva, fazendo beiço para a advocacia e é um próspero pecuarista da região.
3 – Ivan André, também de Mundo Novo, estudou contabilidade, firmou-se no ramo pela sua competência, adquiriu um pedacinho de terra... que virou sítio, que virou fazendas. Suas fazendas são as mais bem administradas de nossa terra. Ele as cultivou com as próprias mãos, partindo com o raiar do dia, lançando sementes com as próprias mãos.
            Conheço muitos outros que também fizeram proezas, partindo sempre do nada.
            Nos dias atuais, vendo o Brasil capitalista seriamente ameaçado pela doutrina socialista, lembrei-me dos citados cidadãos, suas histórias fantásticas de conquistas e crescimento, com estariam se tivesse encontrado um Mundo Novo socialista? Não passariam hoje de empregados do governo, com assas cortadas, sem oportunidades de crescimento, pois pertenceriam a uma sociedade igualitária, sem classes sociais, onde os bens não seriam seus, mas da sociedade e gerenciados pelo Estado.  
            Eu tinha um professor de direito, financeiramente bem situado, mas que tinha ideias sócio-comunistas. E ele nos dizia: “um dos maiores absurdos de capitalismo é a herança. Nada nos pertence, toda herança deveria ficar para o Estado.
            Fico vendo as filmagens dos países socialistas que ainda resistem sem recorrer a institutos capitalistas: ruas com carros velhos, televisão controlada e em preto e branco, muitos cidadãos sem estímulo para produzir, porque seus sonhos era construir um patrimônio próprio, para deixar para seus filhos...
            Sei que meus amigos “vermelhos” vão me barbarizar por este escrito onde eu concluo: como deve ser triste e enfadonho viver num país socialista!
            Mundo Novo (BA), 20 de maio de 2019.

sexta-feira, 3 de maio de 2019

Às vezes fico pensando como estaria o Brasil se o PT e coligados tivessem ganho as últimas eleições. É que o governo petista investiu pesado na Venezuela e continua apoiando o país vizinho. Lula já declarou que “Reconhecer Guaiadó é pouca vergonha”. Então estaríamos juntos. Só que a Venezuela nos deve setecentos e noventa e cinco milhões de dólares. Está com uma inflação anual de 2.500.000% (a maior já vista no mundo). 87% da população estão em situação de pobreza. E nós, com “sapato roto e pé doente”, como estaríamos?

terça-feira, 30 de abril de 2019


Mesmo leigos, devíamos estudar um pouco a Genética Comportamental. Como seríamos mais tolerantes e compreensíveis para com o defeito dos outros! “Cerca de metade de nossas características comportamentais, encontram-se sob a influência direta da genética”. Encontramos em nossos filhos, tantas vezes, nossos defeitos ou nossas virtudes. Defeitos ou virtudes que, muitas vezes, vêm de nossos antepassados! Não devíamos ser mais tolerantes para com os defeitos alheios? Pense nisso.

sexta-feira, 19 de abril de 2019


Assisti, hoje, emocionado, à procissão de Ramos. Uma multidão tomou a Avenida Sete de ponta a ponta. O mesmo povo que, solidário,
marchou com Cristo sobre Jerusalém. Mas, aquela multidão não teve o poder de convencimento daquela outra, que, postada defronte do Supremo Tribunal, gritava incontida: "Livre Barrabás e crucifica Jesus". E dois Ministros, embora não vissem no Réu nenhuma culpa, mandaram açoitar Jesus e soltar Barrabás. Assim tem sito durante toda a história da humanidade. Os profetas foram todos condenados. Se o homem tivesse sido criado por Lúcifer, a história humana seria bem mais fácil de ser entendida.